GIULIANO GEMMA
Giuliano Gemma

Ninguém jamais imaginaria que um ator italiano, dentro da própria Itália, se transformasse em ídolo do público, encarnando um autêntico cowboy estilo americano. Pois foi exatamente o que aconteceu com Giuliano Gemma, um rapaz de boa pinta que se transformou subitamente em tremendo sucesso de bilheteria no mundo inteiro.

Tal como acontece com todo o indivíduo que consegue fama, a história de Giuliano Gemma tem lances interessantes e curiosos. Nascido em 02 de setembro de 1938, Giuliano passou a infância e adolescência na pequena cidade de Emília, na Itália, no aceso da 2ª Grande Guerra. Ali cursou o ginásio e começou a praticar ginástica, natação, tênis e boxe. - Foi este meu gosto por esportes que me valeu, mais tarde, a oportunidade de entrar para o cinema - confidencia o ator.

Para cumprir o serviço militar, ingressou no Corpo de Bombeiros em Roma, e lá permaneceu durante alguns anos. Giuliano nem de leve imaginava que, pouco mais tarde, sua vida sofreria uma guinada completa, a ponto de levá-lo ao estrelato. - Fui bombeiro, como poderia ter sido outra coisa qualquer, - explica - se bem que me sentisse bem na profissão. No Corpo de Bombeiros, eu tinha a oportunidade de praticar ginástica, de saltar, de exibir agilidade e isso era ótimo para mim.

Um dia resolveu dar baixa e tentar novos rumos. Mediante insistência do pai, ainda pretendeu tornar-se corretor de imóveis, mas logo desistiu da idéia. Não tinha jeito mesmo para a coisa. - Nessa ocasião, - diz Giuliano Gemma - nasceu em mim a vontade de ser ator.

Decidido a entrar para o cinema "a qualquer preço", passou a freqüentar os estúdios cinematográficos italianos. Um dia, acenaram-lhe com alguma esperança. Disseram-lhe, por exemplo, que ele tinha uma "boa pinta", e que seu porte jovem, os olhos e cabelos castanhos, e a sua altura, 1,84cm, talvez lhe valessem alguma oportunidade. Finalmente, no ciclo de filmes mitológicos do cinema italiano, Giuliano Gemma acabou sendo aproveitado, inicialmente como figurante e posteriormente como ator de ponta.

Assim, de 1960 a 1964, trabalhou em várias películas, destacando-se nas pontas que fez para Boccacio 70, Chegaram os Titãs e O Leopardo. Nesse meio tempo, para ganhar a vida e granjear popularidade, enveredou também pelo caminho da fotonovela, tornando-se rapidamente conhecido do público aficionado do gênero.

Compreendendo que o cinema americano já não tinha condições de produzir filmes de faroeste em número suficiente para saciar a fome do mercado internacional, os italianos resolveram fazer uma incursão no setor, isto é, produzindo westerns cujas histórias se desenrolavam na América do Norte entre os séculos XIX e XX.

A solução, pelo menos no início, resumia-se em contratar atores americanos. Surgiram então os primeiros westerns italianos, protagonizados por Clint Eastwood (O bom, o mau e o feio - Três homens em conflito, Por um punhado de dólares); Cameron Mitchell (Minnesota Clay) e Richard Harrison (Cem mil dólares para Ringo).

Ainda assim, a crise do cinema italiano era tremenda. O súbito êxito da fita "Por um punhado de dólares" estrelada por Clint Eastwood, estimulou os produtores a insistir no gênero do western, dessa feita, no entanto, com ator local. - Foi aí que meu nome foi lembrado. Ninguém tinha dúvidas de que eu me sairia bem. O que atrapalhava, apenas, era meu nome legitimamente italiano.

Batizaram-me de Montgomery Wood, a despeito de meus protestos. Na qualidade do mais novo mocinho da tela, fiz "O Dólar Furado", "Adiós, Ringo", "Uma pistola para Ringo", "Erick, o Viking", "Arizona Colt" e "Ringo não perdoa". Felizmente, a crítica aceitou-me bem e o público prestigiou meus westerns.

O nome de Montgomery Wood, todavia, estava atravessado na garganta de Giuliano Gemma, e, tanto fez ele, que convenceu os produtores a lançarem-no com seu nome verdadeiro. - Não importava que me tachassem de um texano de Roma, - torna Giuliano Gemma - o que importava era que eu me firmasse como ator, e o público me recebesse tal como eu realmente sou. Meus argumentos acabaram vencendo.

Na sua carreira Giuliano Gemma já trabalhou frente a frente com grandes astros internacionais como: Kirk Douglas, Rita Hayworth, Henry Fonda, John Huston, Klaus Kinsky, Fernando Rey, Francisco Rabal, Lee Van Cleef, Florinda Bolkan, Corinne Touzet, Alain Delon, Liv Ullman, Van Johnson, Ely Wallach, Jack Palance, Max von Sydow, Jacques Perrin, Martin Balsam, Bruno Kremer, Anthony Franciosa, Ernest Borgnine, Philippe Noiret, Catherine Deneuve, Ursula Andress, Senta Berger, Claudia Cardinale, Aurore Clement.

Um dos últimos westerns de sua carreira datado do ano de 1985, deu vida a Tex Willer, um famoso caubói dos quadrinhos no filme "Tex e o Senhor dos abismos", de Duccio Tessari.

Giuliano Gemma atua até os dias de hoje, seja no cinema ou na televisão. O que muitos não sabem é que o mesmo é apaixonado pela arte da escultura. Estudando com os melhores mestres da escultura, Gemma já produziu diversas obras. O ator/escultor ainda pratica muitos esportes como equitação, tiro, e, recentemente descobriu uma nova paixão, o alpinismo e escalada. Coleciona armas antigas e quadros com pinturas modernas. Nos últimos anos o seu passatempo preferido é fazer esculturas em bronze.

Filmografia
 

TÍTULOS EM INGLES

Mad Love (2002)
Jewels (1992)
Corleone (1985)
The Warning (1980)
Battle Force (1978)
The Greatest Battle (1978)
Ben and Charlie (1978)
Shoot First, Ask Questions Later (1975)
When Women Had Tails (1974)
Erik the Viking (1972)
The Master Touch (1972)
The Scalawag Bunch (1971)
Blow Hot, Blow Cold (1969)
Days of Wrath (1968)
Kiss Kiss...Bang Bang (1966)
The Man From Nowhere (1965)
Revolt of the Praetorians (1963)
Hercules Against the Sons of the Sun (1963)
My Son, The Hero (1963)
Ballad of Death Valley
Blood at Sundown
Smugglers

TÍTULOS EM ITALIANO

1965
Una Pistola per Ringo
Il Ritorno di Ringo
Un Dollaro Buccato
Adios Gringo

1966
Arizona Colt
I Lunghi Giorni Della Vendetta
Per Pochi Dollari Ancora

1967 Wanted
I Giorni Dell'Ira

1968
E Per Tetto Un Cielo Di Stelle

1969
Il Prezzo Del Potere
Vivi, O Preferibilmente Morti

1972
Amico, Stammi lontano Almeno Un Palmo

1974
Il Bianco, Il Giallo e Il Nero

1977
Sella D'Argento
California

 

© 2002 NostalgiaBR - Geraldo de Azevedo